domingo, 20 de dezembro de 2009

Ou isto, ou aquilo



(Cecília Meireles)

"Ou se tem chuva e não se tem sol,

ou se tem sol e não se tem chuva!


Ou se calça a luva e não se põe o anel,

ou se põe o anel e não se calça a luva!


Quem sobe nos ares não fica no chão,

quem fica no chão não sobe nos ares.


É uma grande pena que não se possa

estar ao mesmo tempo nos dois lugares!


Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,

ou compro o doce e gasto o dinheiro.


Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…

e vivo escolhendo o dia inteiro!


Não sei se brinco, não sei se estudo,

se saio correndo ou fico tranqüilo.


Mas não consegui entender ainda

qual é melhor: se é isto ou aquilo".


(...)




Hoje,pensativa, prestes a tomar uma importante decisão, meu pensamentos vagaram e saudosamente recordei este poema da Cecília Meireles. Era ainda uma menina (não lembro a idade) quando tive o meu primeiro contato com ele. Lembro-me, porém, que achei muito injusto essa situação de ter que escolher entre uma coisa e outra, principalmente quando ambas são coisas são objetos do bem querer.

Este singelo poema, muito além que abordar fantasias do mundo infantil, aborda de forma simples a grande tarefa que é fazermos escolhas. Parece que conforme vamos crescendo esta tarefa vai se tornando cada vez mais complexa. E algumas escolhas realmente não são fáceis de serem tomadas. Quem sofre de ansiedade vai entender muito bem o que estou tentando dizer, pois para quem é ansioso o sofrimento começa muito antes da escolha e si, começa só de pensar em ter que tomar uma decisão entre uma coisa e outra. De qualquer maneira, saber que se têm opções já é algo muito positivo, pois é muito pior quando não temos o que e como escolher.Além disso, às vezes é possível encontrarmos um meio termo e fugirmos dessa situação ou oito ou oitenta.

Bem, agradeço por você ter vindo e,
te deixo escolhas:
Ou você deixa sua visita sem registro, ou deixa um comentário.
Beijo grande!
Rosi








domingo, 13 de dezembro de 2009

Pausa do aconchego




Amigos,


Sei que estou um pouco afastada, já são mais de cinquenta dias de ausência...
sem uma postagenzinha sequer.


Férias, eu? Quem deras!


Dizer que o 'sumiço' deu-se por falta de tempo seria um grande engodo. Na verdade, o tempo para mim anda escasso, mas sei que quando nos organizamos é sempre possível fazermos uma coisinha aqui e outra acolá e, talvez, resida exatamente aí o meu problema. Tenho administrado mal este meu pouco tempo. E não que eu quisesse, mas o ritmo de fim de ano é sempre uma verdadeira loucura...


Neste ritmo de pico tenho estado um pouco "atropelada" com os afazeres rotineiros e com as tarefas extras próprias dessa época do ano. Tenho tentado driblar os cansaços físicos e mental que teimam em se instalar. Pois, sei que quando perdemos em organização, também pecamos em ponderação e comprometemos e equilibrio. Nesse interim, o corpo adoece e a mente padece.




Devagar e sempre, vou aconchegando as ideias...




Abraços saudosos a todos.





Rosi